28 de fevereiro de 2012

Parte 59: O que ando pensando e observando...



Olá pessoal!

Eu ando mais observador do que nunca, não sei explicar o motivo, mas talvez alguns hábitos novos, me levam a pensar um pouco mais, nas coisas que eu fazia no passado.

Eu nunca fui amante de biscoitos e guloseimas recheadas, mas sempre quando vou ao supermercado, fico olhando este corredor (fotografia) repleto de gôndolas entupidas de vários tipos de biscoitos, e com suas ofertas, que são mais calóricas do que propriamente o preço da mercadoria em si.

Assisti uma palestra de uma nutróloga, no qual foi veiculado este assunto, ou seja, a oferta calórica no mercado  ao alcance de todos. Se nós pararmos para pensar, num passado não tão longínquo, as únicas ofertas de biscoitos nas prateleiras, eram as de maisena e bolacha água. Lembram?

Hoje em dia é impressionante, nós temos uma infinidade de tipos de biscoitos, chega a ser bizarro o quantitativo de sabores, combinações e misturas de sabores. Ao meu ver, tudo com o intuito de mascarar uma triste realidade, isto é, a substituição de alimentos ricos nutricionalmente, por "alimentos" ricos em gorduras e glicose, e muito pobres no aspecto nutricional.

O que eu tenho observado, é justamente o aumento no consumo desses "alimentos", falo isto com base em dados estatísticos, e em conversas com vendedores e representantes do mercado e do ramo. Quando há um lançamento de um produto, e principalmente atrelado a personagens de desenho animado, já é um motivo para as industrias comemorarem aumento nas vendas.

Ao tirar esta fotografia, reparem a quantidade e variedade de produtos e marcas expostas! Quando eu estava no corredor do supermercado, tinha uma criança implorando a mãe para comprar um recheado desses. A criança era uma menina, e ainda está no processo de pré adolescência, começando a desenvolver um corpo feminino. Entretanto, a observação maior e mais importante, foi notar que a criança já era obesa, pois tinha dobras e mais dobras no abdômen.

Não achem lindo uma criança dessas, eu mesmo fui o bochechudo lindinho de muitos, mas ao chegar na adolescência, senti com mais ardência na pele, como era ruim ser obeso, já que quando criança. não fazia a menor ideia dos iminentes problemas que sofreria por causa da obesidade.

Prezados (as).

Não sou o dono da verdade, quem me dera pudesse ser o oráculo, mas os erros que cometemos, não podem ser transmitidos de geração para geração. A vida moderna trouxe muitos benefícios, mas também muitos malefícios e hábitos ruins.


17 de fevereiro de 2012

Parte 58: Não vamos tapar o sol com a peneira.

Prezados (as).

Vou tocar num assunto polêmico, pode ser dedo na ferida para muitos, mas não podemos "tapar o sol com a peneira".
Vou começar com a seguinte definição:

- Na minha opinião, a cirurgia da obesidade, seja qual técnica for, ELA TEM "PRAZO' DE VALIDADE.

Mas porque falo isto? Simples pessoal! Primeiramente, REPAREM que coloquei entre aspas, já que a cirurgia, a anatomia construída em si, não será desfeita. Falo com relação a adaptação e a natureza, que sempre da um jeito de não conspirar ao nosso favor.

Depois de um certo tempo, muita coisa pode ser consumida como antes, mesmo que em diversas vezes ao dia, ao final se você somar o consumo calórico, poderá se assustar.

Eu encaro a cirurgia como uma segunda chance, esta chance lhe dará a oportunidade de você aprender a se nutrir, eu disse nutrir, isto é, consumir combustível para o seu dia-a dia, e principalmente eliminar hábitos ruins e adquirir hábitos saudáveis.

Façam exercícios!

Receita do sucesso:
Operar = Fazer uma ótima nutrição + exercícios + disciplina.

Receita do insucesso:
Operar = Péssima nutrição (continuar comendo besteiras mesmo em poucas quantidades) + Consumo excessivo de álcool + sedentarismo + indisciplina.

Ficar em casa vendo novela não adianta pessoal! Dois dias parados e eu já fico nervoso!
Conheço muita gente que tinha 160 KG (exemplo), reduziu até 120 KG (continuava obesa) e depois por não "comprar" o pacote do sucesso, já está com 140KG.

Pensem nisso!

Turma debutante na cirurgia! Cuidado com as experiências, e aproveitem esta fase para dar um pique na redução do peso, isto é, dediquem-se!

Um forte abraço.

Luis Henrique Marques.